Luciano Aparecido Santana, de 39 anos, perdeu a visão do olho direito e conta que sofre com crises de medo. Ele foi baleado no dia 2 de abril, na rodovia PR-444, quando criminosos invadiram um ônibus de sacoleiros que seguia com destino ao Paraguai.

Após um mês de ter sido baleado durante um assalto em um ônibus de sacoleiros, o morador de Ibitinga (SP) Luciano Aparecido Santana continua com a bala alojada no olho. O comerciante, de 39 anos, foi um dos passageiros feridos durante o tiroteio.

O assalto foi registrado no dia 2 de abril deste ano. Uma quadrilha armada tentou interceptar o ônibus no estado do Paraná, que seguia com destino ao Paraguai. Os criminosos entraram no veículo entre as cidades de Mandaguari e Arapongas, na PR-444. O motorista morreu e outras três pessoas ficaram feridas durante a tentativa de roubo.

Ao G1, a vítima afirmou que está cega de um olho e que sua rotina mudou totalmente. O raio-x mostra que a bala que o atingiu ficou alojada no globo ocular.

Luciano é proprietário de uma loja de artigos diversos, mas afirma que desde o assalto foi a mulher quem assumiu o comércio. As viagens para o Paraguai, por exemplo, já não fazem mais parte dos planos dele.

Desde então, ele passa por acompanhamento psicológico e relembra que foi baleado enquanto dormia, quando acordou já estava com o rosto todo ensanguentado.

“Estava dormindo e acordei com os gritos de desespero dos outros passageiros. O sangue escorrendo no meu rosto e as pessoas se jogando no chão para não serem atingidos”.

 
Morador de Ibitinga ainda aguarda avaliação médica para saber se poderá retirar a bala fixada no olho  — Foto: Arquivo pessoal Morador de Ibitinga ainda aguarda avaliação médica para saber se poderá retirar a bala fixada no olho  — Foto: Arquivo pessoal

Morador de Ibitinga ainda aguarda avaliação médica para saber se poderá retirar a bala fixada no olho — Foto: Arquivo pessoal

Ainda de acordo com o comerciante, Luciano vai retornar ao médico oftalmologista para fazer uma nova avaliação cirúrgica. Ele conta que antes não foi recomendado tirar o projétil por causa dos riscos durante o procedimento pela localização da bala.

Agora, com o olho menos inchado, irá passar por uma nova consulta médica para reavaliar se há possibilidade de retirar a bala alojada no olho.

"Mais do que retirar logo a bala do meu olho, apesar da dor física, eu queria poder retomar a minha vida de antes. Eu corria atrás de tudo. Quero voltar a enxergar, porque hoje não consigo mais fazer nada sozinho. Aliás, nem ficar sozinho”, diz.

Tentativa de assalto

 

A tentativa de assalto ocorreu na madrugada do último dia 2 de abril, na rodovia PR-444, entre Mandaguari e Arapongas. O ônibus de sacoleiros saiu do interior de São Paulo com destino ao Paraguai.

De acordo com a PM, mais de 20 disparos foram feitos na tentativa de roubo. Um carro com criminosos se aproximou do ônibus no km 29 da rodovia quando começaram a atirar. O motorista morreu após ser atingido por um dos tiros e o ônibus tombou na lateral da estrada.

 
Uma pessoa morreu e outras três ficaram feridas durante a tentativa de assalto a ônibus de sacoleiros — Foto: Dionisio Mathias/RPCUma pessoa morreu e outras três ficaram feridas durante a tentativa de assalto a ônibus de sacoleiros — Foto: Dionisio Mathias/RPC

Uma pessoa morreu e outras três ficaram feridas durante a tentativa de assalto a ônibus de sacoleiros — Foto: Dionisio Mathias/RPC

 

fonte: Por Ana Borges, G1 Bauru e Marília